quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

O PRIMEIRO AMOR


Logo que casou Lúcia descobriu que o marido, Tony, tinha uma espécie de diário. Entretanto, esse era diferente; uma espécie de caderno de memórias. Um dia, enquanto ele estava no trabalho, ela decidiu ler a caderneta. Para sua surpresa na primeira folha estava escrito:
“Quando meus pais brigavam, eu sempre ouvia eles se acusarem: Você não é mais o mesmo. E outro perguntava: Então me diz o que há de tão diferente em mim? A resposta era incisiva: TUDO!”
Não quero cometer o mesmo erro de meus pais: Esquecer o primeiro amor. Aqui registrarei minha história de amor com minha amada e linda futura esposa, Lúcia. Para que eu obedeça às escrituras: Lembra-te do teu primeiro amor.”
A introdução datava do início do noivado deles. Surpresa e emocionada, Lúcia percorria cada frase.
“A minha amada é louca por milk shake de morango e não suporta chocolate.”
“Ela chora quando eu toco My Endless love”.
“Minha bonequinha prefere receber chocolates a flores”.
“Minha princesa detesta quando eu deixo a barba por fazer”.
“Hoje conversamos sobre os futuros filhos. Ela quer gêmeos. Meu Deus!”
Um dia antes do casamento o texto trazia:
“Meu professor de metodologia científica disse: Este é o dia com o qual ela sempre sonhou. Deixe-a vivê-lo intensamente. Este dia pertence a ela”.
No dia da cerimônia:
“Senhor ensina-me a amar minha esposa. Estou disposto a dar minha vida por ela como tu fizeste pela igreja”.
Em lágrimas Lúcia fez esta mesma oração por Tony. Quando terminou a leitura decidiu que também escreveria uma caderneta de memórias desde o namoro deles; contudo, em segredo.
O casal havia brigado três dias antes da descoberta de Lúcia. Na verdade, ela reconhecia que andava muito estressada e mesmo inconscientemente descontava tudo no esposo. Ele escrevera no dia da briga:
“Será que o mel acabou? Não permitirei que o inimigo destrua o amor que Deus nos deu para cultivarmos”.
Trinta e cinco anos depois, em um culto de ação de graças e renovação de votos, Lúcia proferiu:
- Obrigada, meu amor. Você me ensinou a amá-lo como Cristo nos ama. Um dia li sua caderneta de memórias sobre nosso relacionamento. E decidi fazer o mesmo sem que você soubesse. Nem sei se você ainda escreve.
- Sim, escrevo. É a nossa historia de amor. Tinha planejado lê-lo para você hoje à noite.
- Então teremos muito para ler um para o outro. Te amo como na primeira vez.

Para minha amada esposa, Neuma. 02/08/11 - Por meio daquele que nos ama como na primeira vez. - Joel Souza.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

A Confiança e o Medo


(por Joel Souza)

Certa vez a Confiança estava caminhando numa estrada quando o Medo passou por ela apressadamente. A Confiança logo indagou o Medo.
- Por que você sempre surge quando eu estou me aproximando do coração das pessoas?
O Medo respondeu sarcasticamente:
- Para provar que os seres humanos não precisam fazer esforço para me atrair. Além disso, eu não preciso de permissão para entrar na vida delas.
- E o que você ganha com isso?
- Nada. Apenas gosto de ter um lugar novo onde eu possa gerar bastante desespero.
A Confiança logo retrucou:
- Mas você sabe que todas as pessoas que abrem a porta para mim e me convidam para entrar, permitem que eu produza paz, e imediatamente eu te expulso.
- É verdade. Mas isso só ocorre quando elas fazem algum esforço.  Quando pelo menos abrem a porta do coração e permitem que você entre. Os seres humanos são aversos ao esforço, esqueceu?.
***
O medo gera desespero. A confiança produz paz.
Quando as pessoas sentiam medo, Jesus declarava: não tenha medo! As Escrituras Sagradas afirmam que Jesus é o Príncipe da Paz. Confie nEle e receba a Paz duradoura.

IMENSIDÃO DIVINA

Existe uma história bem conhecida sobre Agostinho de Hipona, um dos maiores teólogos cristãos, a respeito de um livro que ele escrevia sobre a Trindade. Num momento de descanso, enquanto caminhava às margens do Mediterrâneo, viu por perto um menino. Ele enchia um balde com água do mar, andava uma pequena distância e o esvaziava em um buraco na areia. Então retornava ao mar e repetia todo o processo.
             Agostinho assistiu àquilo por um tempo e, então, perguntou ao garoto que ele pretendia fazer.
- Estou trazendo o mar Mediterrâneo para esse buraco na areia – respondeu. Agostinho riu.
- Você nunca fará um oceano caber nesse pequeno buraco! Você está desperdiçando seu tempo.
 O menino andou em sua direção:
- E você está desperdiçando o seu escrevendo um livro sobre Deus. Você nunca fará Deus caber em um livro!
                Embora alguns estudiosos suspeitem (e com razão!) que essa história não passe de invencionice, ela salienta um ponto importante. Não podemos fazer justiça à maravilha completa de Deus. O que de fato nos compete é fazer tudo o que pudermos para falar sobre Deus de modo fiel e íntegro.
Alister McGrath. Teologia para amadores. São Paulo: Mundo Cristão. 2008, p 43.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

CORAÇÃO x MENTE


“Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti.”
Salmos 119:11
 Os antigos acreditavam que o coração era o centro das emoções. Os filósofos o classificavam como “o centro da alma e da vida”. Hoje sabemos que o cérebro é o centro de todas as emoções, e essas podem afetar positiva ou negativamente o órgão chamado CORAÇÃO.
 Guardar no coração a Palavra de Deus é ocupar a mente com a mensagem que produz Vida. O salmista afirma que dessa maneira pretende viver sem pecar. A mente que guarda os Ensinamentos de Deus poupa o coração das grandes aflições e tristezas que o pecado produz, os quais podem levar até à morte física e espiritual.
ORAÇÃO: Senhor, ajuda-me a guardar os Teus ensinamentos em minha memória para que o meu coração seja poupado das angústias do pecado.

O MINISTÉRIO MAIS URGENTE

Será que a igreja tem ministério mais urgente do que abrir tempo e espaço para a pergunta crucial de Cristo apresentada no Evangelho de João: “Tu me amas?” Há alguma prioridade confessional, legal ou cultual que suplante o relacionamento pessoal entre o crente e Jesus Cristo?
Há alguma esperança para uma renovação cristã radical e para a implementação do evangelho social se Jesus Cristo não é Senhor da minha vida? Será que deixamos essa pergunta decisiva de lado para moralizar, filosofar, organizar e erigir novos templos a um deus desconhecido?
Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Simão entristeceu-se por lhe ter dito terceira vez: Amas-me? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas. João 21:17

Fonte: Brennan Manning. Meditações para maltrapilhos. São Paulo: Mundo Cristão. 2008.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

EDIR MACEDO E SUA TEOLOGIA DO ABORTO

No vídeo que até o momento está no Youtube, visto que muitos outros, já foram retirados da internet. O Edir Macedo faz apologia ao aborto.
Edir Macedo é incapaz de citar um versículo bíblico que dê base para seu discurso.
Obviamente, pois Deus não é sanguinário. Deus ama o que criou. Deus é enfático:
Não matarás. Exôdo 20:13.
O NÃO de Deus significa NÃO!
Ninguém precisa ser douto em hermenêutica e qualquer outra ciência para entender que Deus não nos permite tirar a vida.
O herege Edir Macedo prossegue em seu delírio:  
“Mamãe teve 33 filhos, 33. Por causa das dificuldades ela abortou 16. Sobraram 17, morreram 10. Ficaram só 7. E nem por isso ela deixou de estar com Deus.  O aborto não faz diferença.” (seguido de um sorriso, ao meu ver, diabólico).
Se os meninos de famílias pobres estão mendigando e sofrendo as mazelas sociais, o que é necessário fazer é cobrar do governo ações efetivas de erradicação da pobreza. Não incentivar o assassinato.
Por fim, veja o vídeo e tire suas próprias conclusões:

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Igreja da Cientologia é condenada na França


A Corte de Apelações de Paris confirmou nesta quinta-feira a condenação das duas principais estruturas francesas da Igreja da Cientologia a uma multa de 600 mil euros por "fraude".
A multa imposta às duas estruturas parisienses, o Celebrity Center e a livraria SEL, é idêntica à anunciada no primeiro processo de 2009. Além disso, cinco membros da organização foram condenados em apelação a penas que vão de 10 mil euros de multa a dois anos de prisão, com suspensão da pena, e 30 mil euros de multa.
A Justiça francesa os acusa de ter aproveitado a vulnerabilidade de ex-adeptos para obter grandes quantias de dinheiro. "É uma decisão histórica", declarou à imprensa Olivier Morice, advogado da UNADFI, uma associação de luta contra as seitas.
"É a primeira vez na França que a cientologia é condenada enquanto pessoa jurídica por fraude em grupo organizado", disse, antes de completar que esta é "uma notícia muito boa para aqueles que lutam contra as seitas e uma derrota severa da Igreja da Cientologia".
"Esta decisão era esperada por muitos países que lutam contra as seitas", destacou, ao citar Alemanha, Espanha, Bélgica, Itália, Austrália e Estados Unidos. A Igreja da Cientologia, porém, denunciou em um comunicado um veredicto "falseado e injusto", além de ter anunciado que pretende recorrer de maneira imediata à Corte de Cassação.
"A Associação Espiritual da Igreja da Cientologia-Celebrity Centre considera que a decisão pronunciada é totalmente falseada e injusta, porque é o resultado de uma espécie de processo fantasma, no qual aconteceram numerosas irregularidades e violações dos direitos fundamentais dos cientologista", afirma em um comunicado.

Os acusados e seus advogados, que abandonaram o processo após duas semanas, depois que todas as questões de procedimento apresentadas para adiar os debates foram rejeitadas, não estavam presentes na leitura da decisão nesta quinta-feira.
Qualificada de seita por vários documentos parlamentares franceses, o movimento fundado em 1954 pelo escritor americano de ficção científica Ron Hubbard é considerado uma religião nos Estados Unidos e em alguns países europeus. A organização afirma ter mais de 10 milhões de adeptos no mundo e 45 mil na França.

Fonte: Notícias Terra

Os pastores feiticeiros e seu evangelho pagão

Por Ed René Kivitz

AGÊNCIA ESTADO | ECONOMIA & NEGÓCIOS
Deus resolve
Pastores da Igreja Universal do Reino de Deus inovam. Pela TV, em Brasília, prometem bom desempenho em concursos públicos. O fiel só precisa levar caneta ou comprovante de inscrição ao templo para ser ungido.
O discurso? “Se Deus te iluminar, te der a direção, nada dá errado.”
[Fonte: http://blogs.estadao.com.br/sonia-racy]
O pior dessa notícia é que tem uma lógica danada. Literalmente, a lógica é danada. É dos quintos dos infernos. Mas faz todo o sentido dentro da cosmovisão religiosa popularmente identificada como cristã, isto é, da subcultura sociologicamente definida como segmento religioso que se pretende cristão. Senão, observe.
- Para quem crê em um Deus intervencionista, que se mete no cotidiano da vida humana vindo de fora (de outro mundo, da sala do trono, ou sei lá de onde), qual é o problema de pedir a Deus que favoreça um dos seus filhos em um concurso público?
- Para quem acredita em unção como ritual litúrgico, e sai por aí passando óleo e azeite em portas e janelas, carros, pessoas, animais de estimação, propriedades, galpões empresariais e escritórios, e outras coisas mais, qual é o problema de ungir ritualisticamente uma caneta ou uma ficha de inscrição para um concurso público?
- Para quem acredita que Deus revela segredos aos seus filhos, fala pela boca dos profetas e dá palpite na vida dos outros, qual é o problema em pedir uma iluminação ou uma direção, tipo informação privilegiada, como ajuda para o êxito num concurso público?
- Para quem acredita que o templo é a Casa do Senhor, e que os pastores, bispos, apóstolos e patriarcas são Servos do Senhor, pessoas especiais, com uma unção especial de Deus, qual é o problema de participar dessa unção ritualística no Templo Sede Internacional e receber a benção do homem de Deus antes de atravessar o desafio de um concurso público?
- Para quem faz promessas de subir escadas de joelhos, realiza peregrinações carregando cruz nas costas, amarra fitinhas de santos no pulso, pendura no pescoço colares benzidos nos terreiros, carrega santinhos na carteira, ou participa de correntes da fé em busca de bençãos materiais e soluções para problemas circunstanciais, qual é o problema de ungir a caneta ou a inscrição para o concurso público?
Em síntese, apesar de grotesca e de causar espanto, respeitada a lógica religiosa popular cristã, não há nada de errado nessa prática noticiada pela Agência Estado. O desafio é responder se essa lógica expressa de fato o Evangelho de Jesus Cristo.

Fonte: Ed René Kivitz.com